Resumos

Títulos na língua a ser falada e organizados através dos palestrantes em ordem alfabética

Águas urbanas. São Paulo entre a crise de novos significados

Alves van Ham, Felipe (Technische Universität Berlin)

A região de São Paulo, concentração de população, renda e conhecimento, vive o período mais seco, sem chuvas, desde que se iniciaram as medições. Esta é a principal justificativa do governo para a atual crise. Mas qual o espaço da água na cidade? Serão apresentadas as soluções e alguns projetos.

Erosão nas praias em Natal/RN: Reações do município e consequências para a população local

Amaro, Prof. Dr. Venerando E. (UFRN)
Richter, Dr. Julia (Münster University)
Allkemper Freire dos Santos, Katharina

Brazil, a country abounding in water but the largest cities are literally stranded on dry land – Global change or home-made problems?

Anhuf, Prof. Dr. Dieter (Universität Passau)

Conflitos socioambientais no Brasil profundo: natureza e cultura no licenciamento ambiental do projeto mineral Minas-Rio

Becker Costa, Dr. Luzia (UFMG e Instituto Universitário de Pesquisas Rio de Janeiro) Rose Barbosa Pereira, Aline (UFMG)

Milton Santos define o território como resultado da história de formação do espaço social e natural do lugar na interdependência necessária entre a materialidade, que inclui a natureza, e o seu uso, que inclui a ação humana: o trabalho e a política. Sob esta perspectiva, objetivamos mostrar como o Brasil profundo, preso aos tempos lentos da natureza, é tensionado pelas transformações trazidas por grandes projetos de exploração mineral, situação agravada por uma das maiores crises hídricas da região.

Água da vida – uma perspectiva bíblica-teológica

Bergesch, Dr. Karen (Zentrum für Ökumene Hamburg)

A palavra água está presente em vários textos bíblicos, seja de forma simbólica ou como elemento da vida cotidiana. Como elemento da vida cotidiana ela pode trazer vida ao matar a sede ou estar relacionada com destruição, como é o caso de tempestades e enchentes, por exemplo. Sob essa perspectiva, a água pode gerar vida ou tirar a vida. A água é um elemento de organização na vida como narra o texto da criação no livro de Gênesis. Ela motiva encontros e diálogos como demonstram narrativas a beira das fontes de água. Esse é o caso do texto de João 4, no qual Jesus dialoga com uma mulher samaritana. Assim, a água leva as pessoas ao movimento de ir ao seu encontro. Formas mais modernas de canalizar a água fazem transparecer que ocorre o inverso e que a água é que vem em direção às pessoas. Na verdade, essa é apenas uma forma de se relacionar com a água, pois a pergunta sobre a água como elemento saudável para a vida permanece. De nada adianta ter canalização sem água, ou mesmo, água canalizada que não é possível ser utilizada devido a qualidade imprópria para o seu consumo. Por tudo isso, a água é considerada sagrada na Bíblia! Sua importância é confirmada quando utilizada simbolicamente em sua fluidez para marcar a nova vida no rito do Batismo. O contato diário com a água é assim simbolicamente a lembrança do compromisso assumido com a nova vida. Jesus também fala da água que mata a sede verdadeiramente, ou seja, para sempre. A sede é uma constante para um povo que não tem acesso fácil à água. Por isso, Jesus estabelece a relação entre sua mensagem e a água como elementos diários e de transformação para uma vida digna.  Nessa perspectiva, há documentos assinados por diferentes grupos de Igrejas históricas, voltados para a preservação e valorização da água. A água é um elemento vivo que necessita fluir. Se ela estiver confinada ou receber dejetos poluidores industriais ou minerais, por exemplo, ela morre e gera morte. Por isso, como aprendemos na Bíblia, a água é sagrada assim como também a vida o é. Não há vida sem água. Assim, ambas necessitam igualmente ser preservadas.

 

Água de Mario Quintana

Carvalho, Prof. Dr. Vinícius de (King’s College London)

Publicado em 1994 pela primeira vez, em um relatório do Banco do Brasil, esta coleção de 12 poemas é a última obra aprovada pelo autor para publicação. Nestes poemas, Quintana expressa uma transcendente e existencial compreensão sobre a Água. A leitura proposta nesta apresentação buscará depreender exatamente estes dois momentos.

Barriers and Opportunities for Water Security in Greater São Paulo

Cavalcante, Ana Helena (Universität Freiburg)

This lecture analyzes the current water crisis in Greater São Paulo. The lecture is based on a diagnosis of the main barriers that impeded government and other stakeholders at different governance scales to take action to guarantee a secure water provision.

Um lugar que inspira saudade: Paulo Afonso – um caleidoscópio

Hermanns, Dr. Ute (Ibero-amerikanisches Institut Preußischer Kulturbesitz)

Die Wasserfälle von Paulo Afonso haben bereits Frans Post inspiriert, der das BildCachoeira de Paulo Afonso 1649 in Öl auf Holz malt. Das Bild gehört heute der Sammlung des MASP in Sao Paulo. Frans Post konzentriert sich auf eine Naturlandschaft mit langem Fluss, dessen Oberlauf sich in Kaskaden zwischen den Steinschluchten im Vordergrund des Gemäldes einen Weg bis zum tiefer gelegenen Flußbett bahnt. Ob er den Ort selbst besucht hat oder nicht, ist ungewiss. Auch E.F. Schute malt den Cachoeira de Paulo Afonso 1850 in Öl auf Leinwand, wobei er die Übermacht der Natur in Gestalt einer riesigen Palme und mächtigen Agaven im Bildvordergrund, der Gesteinslandschaft und der riesigen Wassermassen im Verhältnis zur Winzigkeit des Menschen in der Mitte des Bildes betont. Als Dom Pedro II im Rahmen seiner Reise in den Nordosten des Landes 1859 die Wasserfälle besucht, ist er von der Landschaft begeistert und fertigt sogar Zeichnungen an und gibt eine Studie in Auftrag: “Atlas e Relatório concernente a Exploração do Rio São Francisco desde a Cachoeira Pirapora até o Oceano Atlântico”, die 1860 fertig wird. Hintergrund der Faszination fuer die Wasserfaelle ist der Wunsch, einen Zugang zu wertvollen Rohstoffen zu finden. Der Unternehmer Delmiro Gouveia baut 1913 das erste Wasserkraftwerk, um Strom für seine Garnfabrik zu erhalten. Sein Erfolg veranlaßt Getúlio Vargas 1945 die CHSF zu gründen, um die Energieversorgung des Nordostens zu sichern, somit ändert sich die Darstellung der Wasserfälle in der Malerei, die Natur mit der dominanter werdenden Technik kombiniert. Dem Entwicklungsgedanken wird sogar bei Luiz Gonzaga in einem Lied ueber Paulo Afonso ein Lied gewidmet. Nur der Fortschrittsgedanke scheint entscheidend, unter Dutra, Figueiredo und Fernando Henrique Cardoso werden die Staudämme und Wasserkraftwerke in Bahia, Pernambuco, Alagoas und Recife gebaut. Eine solide Stromversorgung wird möglich und Brasilien ist in der Reihe der weltweit größten Wasserkraftwerke ganz oben gelistet. Ein Reisebericht über die Reise mit den Studenten der Elektrotechnik der Bundesunversität Ceará im Oktober 2014 soll den Vortrag ergänzen und helfen, die Bedeutung dieses Ortes heute zu finden.

Increasing awareness about cultural and  social values of water: initiatives by and with citizens in Brazil

Krucken, Lia (UFMG Belo Horizonte)

This presentation will discuss initiatives in Brazil that focus on making aware cultural and social values of water, and possible contributions from researchers and artists. A starting question for this work is: How to make people aware and develop alternatives that promotes “water friendly” or “water sensitive” cities? Aiming to illustrate the discussion four projects in Brazil will be discussed: the interdisciplinary project Manuelzão, in Das Velhas River Basin; the artistic project Nessa rua tem um rio in Belo Horizonte; the participatory citizen initiative Geografia Immaterial; and the Instituto Terra’s project Olhos d’agua, that focus on revitalizing dry water sources. These initiatives aim at increasing consciousness about water as a long-term resource and an important element in the cityscape, as well as to promote innovative solutions to better protect and use fluvial water. The research, in progress, also focus on identifying innovative strategies related to this issue in Germany and Denmark.

As conexões entre água, poder e gênero à luz da perspectiva da justiça ambiental

Malerba, Julianna (UFRJ/IPPUR Rio de Janeiro und FASE)

Povos Tradicionais da Amazônia: A luta por território coletivo e por água potável para consumo humano

Moraes Tenório, Edel Nazaré de (Conselho dos Povos Extrativistas do Brasil)

No lugar de maior volume de água doce do mundo, existem povos que lutam e defendem a floresta, pela luta e resistência, sofrem ameaças e ainda vivem invisíveis para a maioria da sociedade. A luta por esta visibilidade e por acesso as políticas publicas como a água potável ao consumo humano é uma luta constante na Amazônia pelos povos tradicionais.

El legado de la política hidráulica de Epitácio Pessoa: llevando el agua a su molino

Neufert, Dr. Tim (Universität Köln)

Der erste Präsident aus dem Nordosten wird noch heute sogar von kritischen Autoren als „Retter der Region“ gefeiert. Eine neue Bewertung Pessoas hilft, anhaltende Misserfolge und Missstände aus ihren historischen Ansätzen heraus zu erklären und den weiter vorherrschenden Dürrediskurs offenzulegen.

Between Abundance and Scarcity: The drinking water of the city of Rio de Janeiro in the eyes of its observers, 16th to 19th centuries

Poettering, Dr. Jorun (Ludwig-Maximilians- Universität München)

Interaciones sociales con el água en México

Rescher, Dr. Gilberto (Universität Hamburg)

En esta ponencia se discutirá, partiendo de una perspectiva de la sociología del conocimiento y la teoría de las interfaces (Norman Long 1992), la construcción social polifacética de los significados del agua que incide en negociaciones políticas para el desarrollo partiendo del uso del agua. Esto abarca analizar diversas perspectivas de diferentes actores (por ejemplo campesinos, agentes de instituciones de desarrollo y representantes del estado) que están profundamente ligadas a sus depósitos de conocimientos y saberes. Como caso se tomará el Valle del Mezquital ubicada en el Centro de México, una región vista como árida y pobre, receptora de aguas residuales provenientes de la ciudad de México destinadas al riego agrícola sin embargo paradogícamente es conocida al mismo tiempo por sus balnearios y aguas termales y recientemente ha sido socialmente construida como una posible fuente de agua potable para la capital del país.

Água e seca como relação sócio-natural

Schmitt, Tobias (Universität Hamburg)

A água não é apenas um produto da natureza que pode ser preservado, conservado, explorado ou valorizado. A água é sempre mais. Ela é a base de toda forma de vida, a matéria fundamental para a produção de alimentos e bens, é símbolo e mito, religião e geopolítica. Na água, a natureza não se coloca frente ao ser humano como “o outro”. Mas sim, o indivíduo e a sociedade estão vinculados a ela através de seus corpos, moradias, jardins e fábricas. Assim, as dimensões materiais e simbólicas das relações sócio-naturais unem-se através da água. Nesse sentido, a água é um elemento intermediador entre as relações sócio-naturais, no qual se refletem relações de poder e através do qual se constituem relações de gênero. Ao mesmo tempo, um estado de seca é mais do que a inexistência de água ou a falta de chuvas. Assim como a água, a seca também pode ser compreendida como uma relação sócio-natural, produzida não só por meio de discursos, como também de relações de produção e posse, inscrevendo-se e fixando-se no meio ambiente através de barragens, transposições e projetos de irrigação. Deste modo, as condições da seca são construídas para determinadas regiões e determinados grupos sociais, de forma que relações de domínio e poder são produzidas e reproduzidas.Todavia, para não nos determos apenas em formulações teóricas e conceptuais, buscaremos aplicar, revisar e expandir o conceito das relações sócio-naturais com base nas condições de seca no nordeste brasileiro. Considerando-se a seca como uma relação sócio-natural, tentaremos desconstruir a naturalização das relações sociais, bem como buscaremos ilustrar a reprodução de estruturas pós-coloniais, relações de poder e de desigualdade através da seca.

Utopia, heterotopia, distopia? A função da água na banda desenhada portuguesa e brasileira

Scholz, Janek (RWTH Aachen)

Der Beitrag analysiert das Motiv des Wassers in Comics von Rita Vilela, Fábio Moon & Gabriel Bá sowie André Diniz. Der Ozean und seine Dekonstruktion werden präsentiert, ergänzt durch Beispiele aus anderen Comics, in denen die Überquerung des Meeres als Akt der Entwurzelung fungiert und Regen als reinwaschendes Moment eingesetzt wird.

Água domada: A barragem Tucuruí como símbolo da modernização da ditadura militar brasileira

Schulze, Dr. Frederik (Westfälische Wilhelms-Universität Münster)

A palestra trata da Usina Hidrelétrica de Tucuruí que foi construida nos anos 70 e 80 pela ditadura militar brasileira. Ela foi concebida como fonte de energia para grandes projetos de industrialização. Na história global de barragens, Tucuruí é um exemplo importante para a ascensão de engenharias nacionais de países recentemente industrializados, e no outro lado também para a piora da imagem de barragens, dado que provocou muitas críticas de ambientalistas e ativistas sociais.

Reflexão sobre as narrativas da seca no Ceará

Souza Rios, Prof. Dr. Kênia, (Universität Ceará)  

This paper presents a study of the narratives of the drought in Ceara. Seeks to understand the drought memories of the relationship with the water shortage . The characters are presented from their oral narratives and cultural representations of the drought in Ceara.

Liquid Power: Water, Power and Modernity in Spain, 1898-2010

Swyngedouw, Prof. Dr. Erik (University of Manchester)

In the presentation, I explore how water becomes part of the tumultuous processes of modernization and development. Using the experience of Spain as a lens to view the interplay of modernity and environmental transformation,I show that every political project is also an environmental project. In 1898, Spain lost its last overseas colony, triggering a period of post-imperialist turmoil still referred to as El Disastre. Turning inward, the nation embarked on “regeneration” and modernization. Water played a central role in this; during a turbulent period from the twentieth century into the twenty-first — through the Franco years and into the new era of liberal democracy — Spain’s waterscapes were completely transformed, with large-scale projects that ranged from dam construction to irrigation to desalinisation. I describe the contested political-ecological process that marked this transformation, showing that the Spain’s diverse and contested paths to modernization were predicated on particular trajectories of environmental transformation. After laying out his theoretical perspectives,I analyze three periods of Spain’s political-ecological modernization: the aspirations and stalled modernization of the early twentieth century; the accelerated efforts under the authoritarian Franco regime — which included six hundred dams, expanded hydroelectricity, and massive irrigation; and the changing hydro-social landscape under social democracy. Offering an innovative perspective on the relationship of nature and society, Liquid Power illuminates the political nature of nature.

Resistencia frente a la concentración de los recursos hídricos en Brasil y en México

Torres Sánchez, Rafael (Universidad de Guadalajara)

Nunca antes como en los tiempos que corren, el agua se ha convertido en un recurso indispensable para la vida, en toda la extensión del término, desde la mera sobrevivencia de la especie hasta el control social. La contribución que presento trata un caso comparativo entre las repercusiones que acarrea la construcción de represas hidroeléctricas en Brasil y en México. Tanto la hidroeléctrica de Belo Monte, enorme, como todo en el país sudamericano, como la presa El Zapotillo, que se construye en los Altos del estado de Jalisco, en México, muestran paralelos que hermanan la resistencia social ante la codicia de las grandes empresas protegidas por legislaciones que buscan más la protección de sus intereses que la vida de las personas afectadas por tales construcciones. Éstas, tras el disfraz de beneficios sociales, implican grandes despojos.

Debaixo d’água lá se vai a vida inteira”: Discurso ecológico, polarização ideológica e estetização do político nos documentários sobre Belo Monte

Thies, Prof. Dr. Sebastian (Universität Tübingen)
Vasconcelos, Suzanna (Universität Tübingen)

Um projeto monumental como o da usina do rio Xingu leva necessariamente à polarização política da esfera pública em virtude de sua relevância econômica e do impacto socioambiental. A usina de Belo Monte foi construída em Altamira, no estado do Pará, e se pretende a terceira maior hidrelétrica do mundo, mesmo que para isso tenha de sacrificar 516km² do habitat de povos indígenas e populações ribeirinhas. O embate entre os advogados do desenvolvimentismo estatal e os defensores dos setores atingidos nos relegou uma série de materiais audiovisuais tais como propagandas, reportagens televisivas e documentários cinematográficos. Nesta documentação se deixa entrever como o discurso da modernização,  discurso ecológico, discurso dos direitos humanos e discurso pós-colonial se entrelaçam de acordo com os propósitos ideológicos que lhes dão suporte. Visando despertar a atenção de um público imediatista, eminentemente urbano, imerso em um espaço midíatico saturado de novidades e assolado por problemas “reais” em seu cotidiano, coloca-se para ambas as estratégias discursivas uma necessidade de reatualização. A necessidade de sensibilizar o público, aliada à dificuldade de tornar visível o significado de projetos desse porte em todas as suas dimensões representam um desafio para o discurso, que tem de recorrer ao poder das imagens. Neste contexto, as imagens de espaços naturais e simbólicas da natureza são utilizadas a fim de preencher as lacunas da informação e da ideologia. Nossa contribuição se debruçará sobre a análise da polarização ideológica, do papel da estetização de espaços naturais e da construção de indigenidade no discurso ecológico no documentário “Belo Monte, anúncio de uma guerra” (2011) de André D’Elia.

A dicotomização da relação sociedade-natureza – Estruturas de desapropriação e cidadania no contexto da UHE Belo Monte (Amazônia, Brasil)

Weißermel, Sören (CAU Kiel)

Utilizando o exemplo da população ribeirinha atingida pela UHE Belo Monte, o tema vai mostrar como o processo de desapropriação acontece numa lógica racional e de valorização econômica que desrespeita os direitos e a realidade de vida dos grupos atingidos, forçando assim a dissolução do modo de vida e a ‎dicotomização da relação sociedade-natureza deles.

 Ciúmes do mar – água, eros e masculinidade em Dom Casmurro

Woldering, Yôko (Universität Hamburg)

A presente comunicação analisa o imaginário do mar em Dom Casmurro de Machado de Assis para a construção da masculinidade e da corporalidade do protagonista Bento Santiago. Assim, busca-se exemplificar a influência que um certo discurso aquático histórico, bem como o imaginário do mar, têm para a nossa relação com corpos fluidos e naturais até hoje.